colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Castelo de Sintra, Subterrâneos de Sintra, Descrição Física, e a Chegada - As Memórias de Charles Fréderic de Merveilleux - Parte I


© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Vídeo: O Caminheiro de Sintra
Imagem: autor Flickr gmancgn_2010




  Um importante relato do ambiente da Serra de Sintra entre 1723 e 1726, pode ser encontrado nas “Memórias Instrutivas de Portugal”, onde Charles Fréderic de Merveilleux para além de outras zonas do país - e em especial Lisboa - escreve sobre detalhes extremamente interessantes de Sintra à época.

  Desde o Castelo de Sintra às superstições dos portugueses, passando pelos Subterrâneos de Sintra ou pelo Convento dos Capuchos, e pela senhora Pedagache, que dizia-se que era capaz de ver através de volumes físicos.

"Deu-me também [D. Diogo de Mendonça] um salvo-conduto para visitar a Serra de Sintra e o seu castelo, onde seria arriscado ir sem tal garantia, como, aliás, a todo o restante reino. E isto porque os portugueses estão convencidos que o seu país está cheio de tesouros ocultos e que os estrangeiros têm artes de lhos descobrir.

Enquanto estive na Serra de Sintra, cheguei à conclusão que esta serra era constituida de uma maneira muito particular e a tal ponto que julgo não haver outra assim em todo o mundo. A serra termina num promontório que, à distância de duas léguas, serve de guia aos navegantes.

"Há ali túmulos, a calcular pelas covas que se observam..."
Compõe-se a serra de grandes pedras, algumas com dez pés de diâmetro, amontoadas umas sobre as outras, assim como as crianças amontoam nozes, sem nada a ampará-las, principalmente nos cimos onde estão as ruínas do antigo Castelo dos Mouros e onde existiu uma cidade bastante considerável a julgar pelo recinto cingido pelas muralhas torreadas e pelos subterrâneos que frequentemente se descobrem quando se procede a escavações.

Alguns têm muitas toezas de profundidade, medidas por mim com a exactidão que me foi possível, utilizando um prumo. Contudo, entre essas pedras o que existe não são cavernas mas sim nichos. As pedras aguentam-se umas às outras e servem de assento às antigas torres e muralhas dessa surpreendente fortaleza de que não restam mais que vestígios.

Há ali túmulos, a calcular pelas covas que se observam, as quais parece terem sido abertas com mais preceito que as concavidades de que anteriormente falei. Todo o recinto está coberto de silvas, de espinheiros e giestas que impedem a passagem. Frequentemente, porém, consultava as Memórias [nota CdS: as do próprio] e por elas me guiava."


© O Caminheiro de Sintra


As outras partes de Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, relato do século XVIII:

II. Subterrâneos de Sintra e os Seus Tesouros - As Memórias de Charles Fréderic Merveilleux - Parte II
III. Cisterna do Castelo dos Mouros e Sua Descoberta, ou a Segunda Parte dos Tesouros de Sintra - As Memórias de Charles Fréderic Merveilleux - Parte III
IV. O Magnetismo de Sintra - As Memórias de Charles Fréderic Merveilleux - Parte IV
V. As Visões de Sintra - As Memórias de Charles Fréderic Merveilleux - Parte V
VI. A Senhora Pedagache - As Memórias de Charles Fréderic Merveilleux - Parte VI
VII. O Curandeiro de Sintra - As Memórias de Charles Fréderic Merveilleux - Parte VII
VIII. O Convento dos Capuchos, e os seus Capuchinhos - As Memórias de Charles Fréderic Merveilleux - Parte VIII


P.S.: Quanto à localização dos sítios mencionados neste blog, tive durante muito tempo a dúvida se a mesma haveria de ser aqui disposta ou não. Pela resolução positiva, peço que faça o melhor uso possível desta informação, o qual principalmente tem a ver com a preservação do património e a não poluição dos locais sob que forma for. Tendo boa fé em si, deixo-lhe aqui no mapa (seta verde - poderá ampliar o mapa para ver melhor), o Castelo de Sintra ou Castelo dos Mouros, Portugal:


Ver mapa maior


Créditos da fotografia do Castelo de Sintra ou Castelo dos Mouros: Autor Flickr gmancgn_2010

1 comentário:

  1. Maravilhoso... vou querer ler tudo e já tenho perguntas a fazer.

    ResponderEliminar

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra