colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


quinta-feira, 27 de maio de 2010

Lenda dos Cinco Altos de Nomes Iguais e de Apelidos Diferentes de Sintra


© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Fonte: Biblioteca Municipal de Sintra
Imagem: Arquivo do Caminheiro de Sintra



  Lenda simples e de domínio popular, sobre a origem do nome de cinco locais de Sintra. A gravura acima disposta representa a Quinta da Penha Verde, vista da estrada, o autor é desconhecido, mas data de 1866.

"O Senhor, Deus Todo-Poderoso, criava o mundo e preparava-se para moldar e edificar a Serra de Sintra, quando ouviu solicitações dos materiais a empregar naquele cometimento.


Prosseguindo a lenda, o Criador um a um dos seus solicitantes e de comum acordo arranjou solução para os pedidos formulados. O Grande Arquitecto, afável e sorridente, docemente reparou em cinco rochas que nada pediram. Inquirindo do seu mutismo, aqueles fraguedos solicitaram mudança de nome. Não desejavam ser chamadas rochas, penhascos, ou fraguedos.



Serão Penhas!


Ficaram contentíssimas e aproveitando o feliz momento, rogaram do Criador mercê para lhes dar o respectivo apelido. Segundo a lenda começaram a ser conhecidas pelas nominações seguintes:


- Penha Ferrim - Firme nos intentos e pertinaz nos cometimentos.
- Penha Longa - Por ser a maior e ainda a serás sede de grande comunidade cristã.
- Penha da Pena - Fervorosa na devoção a Santa Maria.
- Penha Verde - Viva e verdejante verás e albergarás leal e Santo varão, dos maiores que habitaram estes sítios.


E olhando na mais pequena:


- Tu serás a Peninha na qual aparecerá a minha Mãe."


© O Caminheiro de Sintra


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra