colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


quinta-feira, 15 de abril de 2010

"O Mistério da Boca do Inferno" ou Fernando Pessoa e Aleister Crowley - Parte II da Conclusão (republicação)



© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Imagens: Lisbon Tours (1ª); Arquivo do Caminheiro de Sintra (restantes)




Não nos esqueçamos de outra coisa: a estranha foto de Aleister Crowley e Fernando Pessoa a jogarem xadrez em Sintra, quando afinal os dois nunca lá estiveram em simultâneo.

Uma explicação simples, antecede outra de igual complexidade: Sintra, o facto de ser em Sintra, foi pura especulação, ou ajuda na criação de um mito ainda maior.

De facto, a foto só poderia ter sido tirada em dois sítios: em Portugal (eventualmente Lisboa), ou em Inglaterra.


Ora em Portugal, na década de trinta, e segundo relatos colhidos por Marco Pasi, não existiam mulheres a servir às mesas em cafés ou clubes, e como se pode ver na foto, existe uma senhora que aparenta estar a prestar esse serviço. Para além de que…não existia nenhum registo, de que fotografia de Pessoa e Crowley juntos, houvesse sido tirada.

Nesse caso, só poderia ter sido em Inglaterra.

Até mesmo Paul Newman, no seu livro “Aleister Crowley and the Cult of Pan”, faz referência a essa foto, dizendo que a mesma tinha sido tirada quando Fernando Pessoa certa vez fora a Londres, e ajudara Aleister Crowley em algumas sessões de magia.


 Porém…desde que Fernando Pessoa regressou com sua mãe de África do Sul (mais exactamente de Durban), não mais voltou a sair de Portugal.

Como é então possível, que a foto esteja repleta de improbabilidades de existência em seus factos?



Marco Pasi acabou por conseguir tornar a improbabilidade da existência da foto, em afinal algo bem simples e real. Segundo relatos que recebeu do director de uma revista (Chess Monthly), o local onde o jogo de xadrez se realizava na altura em que a fotografia foi tirada, era na Gambit Chess Rooms, em Londres…e, de acordo com outro relato, apoiado na correspondência de Aleister Crowley, o seu habitual parceiro de jogo era R. A. Starr.

R. A. Starr era alto membro da Ordo Templi Orientis (de Crowley), e estranhamente usava o pseudónimo de Aloysius Comet…

A referida figura, era também um exímio contador de histórias, e focava muito a neurose masoquista da flagelação…

Pior do que isso, foi mesmo R. A. Starr ter deixado escapulir nas suas conversas com Aleister Crowley, que era portador de uma doença venérea…

O que, por sua vez e pela parte de Crowley, valeu-lhe o cognome de uma personagem de um livro que Crowley tinha acabado de ler: Badcock.

Sentindo-se mal com a forma de trato que Crowley lhe dava, acabou por desaparecer do círculo em que Crowley se movia.

Ah…acontece que R. A. Starr, tinha a fisionomia idêntica à de Fernando Pessoa…pois é R. A. Starr, quem afinal está na foto, que é por todas as pessoas vista como um jogo de xadrez entre Aleister Crowley e Fernando Pessoa.

Afinal, o mistério da foto demonstra ser bem mais simples do que realmente complexo, como antes o parecia.

Um último e curioso pormenor: após a simulação da morte de Aleister Crowley, R. A. Starr (ou Badcock) voltou a aparecer, desconhecendo que Crowley afinal ainda estava – secretamente – vivo, e tentou tomar as rédeas do destino da O.T.O (Ordo Templi Orientis) e da A.:.A.:. (Astrum Argentum)…

Como essa parte da história acabou, infelizmente não lho consigo revelar, mas após O Mistério da Boca do Inferno, e a misteriosa foto de Aleister Crowley e Fernando Pessoa em Sintra, terem sido solucionados, muito ainda há que demonstra que apenas foi parcialmente solucionado.

Afinal de contas, o maior mistério encontra-se sempre na incógnita que as acções dos nossos semelhantes representam…

Ainda sobre Aleister Crowley há a dizer que quando foi cremado em Brighton a 1 de Dezembro de 1947, alguns discípulos seus entoaram o Hino a Pã. (nota: o vídeo que se segue é um recital do Hymn to Pan)



 E...serviu a Somerset Maugham de inspiração, que em 1908 publicou "The Magician". "Quando o conheci, andava metido com o satanismo, a magia e o ocultismo. Isso era então uma espécie de moda em Paris, nascida, sem dúvida, do interesse que ainda despertava o livro de Huysmans, Là-Bas" - Somerset Maugham.

Somerset Maugham refere ainda ter escrito o "The Magician" em 1907 de não se lembrar como tinha surgido a ideia de fazer de Aleister Crowley, Oliver: "Embora, como disse, Aleister Crowley tenha servido de modelo para Oliver Haddo, este não é em absoluto um retrato dele. (...) Crowley, no entanto, reconheceu-se na criatura de minha invenção - pois não era outra coisa - e escreveu uma crítica da novela que ocupou uma página inteira da revista Vanity Fair (nota: o link reporta à actual revista, tendo a homónima aqui referida, existido até 1935), assinando-se Oliver Haddo".


© O Caminheiro de Sintra


 P.S.: Quanto à localização dos sítios mencionados neste blog, tive durante muito tempo a dúvida se a mesma haveria de ser aqui disposta ou não. Pela resolução positiva, peço que faça o melhor uso possível desta informação, o qual principalmente tem a ver com a preservação do património e a não poluição dos locais sob que forma for. Tendo boa fé em si, deixo-lhe aqui no mapa (seta verde - poderá ampliar para ver melhor), a Boca do Inferno em Cascais, Portugal:


Ver mapa maior



As outras partes d'O Mistério da Boca do Inferno:

I. Aleister Crowley e Fernando Pessoa ou "O Mistério da Boca do Inferno" - Parte I
II. "O Mistério da Boca do Inferno" ou Fernando Pessoa e Aleister Crowley - Parte II
III. Fernando Pessoa e Aleister Crowley ou "O Mistério da Boca do Inferno" - Parte III
I.II. Solução d'"O Mistério da Boca do Inferno" - Parte I

4 comentários:

  1. recordo-me acerca de 13 anos atras quando estudamos Pessoa, que havia uma nota em relacao aos servicos secretos Portugueses vigiarem Crowley durante a sua dita visita a Lisboa. Ainda existirao registos...?

    ResponderEliminar
  2. Caro Anónimo(a),

    bom sendo verdade, é possível que existam registos... Encontrá-los é que talvez seja um pouco mais difícil, mas não impossível. Do que está vulgarmente disponível, é verdadeiramente difícil, embora no futuro - e caso seja verdade - decerto que aparecerão.

    De qualquer dos modos deixou uma excelente nota no que toca aos assuntos pendentes a investigar - que são mais que muitos.

    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  3. ESTIVE EM PORTUGAL , RECENTEMENTE. ESTIVE NA BOCA DO INFERNO. RETRATEI A PLACA COM AS FRASES DE ALEISTER- APÓS, COINCIDÊNCIA OU NÃO, ESTIVE NO CAFÉ NO CHIADO, AS BRASILEIRAS , COMPREI A ESMO, SEM QUERER O LIVRETO FALANDO DO MISTÉRIO. SEMPRE FUI FÃ SO F PESSOA.

    ResponderEliminar
  4. Caro Márcio,

    agradecido pelo seu relato. Coincidências são sempre muito atraentes, e provavelmente, significativas serão todas. Resta-nos caminhar tentando não nos perder na procura do seu significado embora tal enigma enriqueça qualquer vida.

    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra