colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


quinta-feira, 30 de setembro de 2010

D. Carlota Joaquina e a Quinta do Ramalhão - A Lenda do Agente Secreto de D. Carlota Joaquina



© Pesquisa, e texto: O Caminheiro de Sintra
Imagens: Arquivo do Caminheiro de Sintra



Na Quinta do Ramalhão

 Luís Garcia de Bívar, criou a Quinta do Ramalhão partindo apenas de um velho casal agrícola que no local já existia em 1470, criando também o Aqueduto do Ramalhão - isto em 1744.

 Em 1768 foi criado o Palácio do Ramalhão, através de D. Maria da Encarnação Correia, ao que logo a seguir se deu a breve estadia de William Thomas Beckford em 1787.

O Arco do Ramalhão
 D. Carlota Joaquina de Bourbon esteve por diversas vezes após 1802 no Palácio do Ramalhão, tendo mesmo aí chegado a viver após recusar jurar a Constituição Portuguesa de 1822.

 De um autor de nome César da Silva, chega-nos a Lenda do Ramalhão, ou a Lenda do Agente Secreto de D. Carlota Joaquina:

"Do outro lado da fronteira tinha ela seu irmão em condições quase idênticas às suas. Cativo se encontrava ele também, por assim dizer, em Cádiz, onde os constitucionais vitoriosos, para segurança própria, o vigiava cautelosamente. E aí, nesse cativeiro, amargava Fernando VII as violências que fizera praticar quando tomara conta do ceptro castelhano.



Mas esse cativeiro do rei e esse predomínio dos liberais não duraria muito porque, como atrás dissemos, a Santa Aliança, em breve interviria, restituindo a Fernando o seu poder absoluto.

Era bem natural portanto, que os dois irmãos (Carlota Joaquina e o referido Fernando VII) se pusessem logo em comunicação, combinando entre si os meios de se livrarem da deprimente situação em que se encontravam.

Diz-se que um certo fidalgo espanhol servia de intermediário entre eles, e que, por ser muito rigorosa a espionagem que o governo mantinha em volta do Ramalhão, o hábil comissário se disfarçava com um traje de camponês e que assim podia aproximar-se da rainha."


© O Caminheiro de Sintra


P.S.: Quanto à localização dos sítios mencionados neste blog, tive durante muito tempo a dúvida se a mesma haveria de ser aqui disposta ou não. Pela resolução positiva, peço que faça o melhor uso possível desta informação, o qual principalmente tem a ver com a preservação do património e a não poluição dos locais sob que forma for. Tendo boa fé em si, deixo-lhe aqui no mapa (seta verde - poderá ampliar o mapa para ver melhor), a Quinta do Ramalhão em Sintra, Portugal:


Ver mapa maior

6 comentários:

  1. Olá, Muito boa tarde!
    Queria apenas um parecer e / ou opiniao. eu estudei durante vários anos no que hoje é a quinta do ramanhalhao, colégio da ordem dominicana. Sempre correu o mito interno que existem vários corredores subterranos que ligaria o ramalhao a outros pontos , hoje históricos, entre eles o convento de mafra.
    Gostaria tambem de perguntar se ha de facto referencias historicas a possiveis "estórias" entre Aias e os princepes , filhos da D.Carlota Joaquina.
    Como andei naqueles corredores ggantes, aqueles frescos maravilhosos e salas fantasticas, é um tema que gosto particularmente ou que pelo menos gostaria de saber um pouco mais: a Histórias ou "estórias" da Quinta do Ramalhao.
    Com os melhores cumprimentos
    Liliana I.M artins
    lilianallm@hotmail.com

    ResponderEliminar
  2. Eu ando nesta escola e a parte do palacio que as fereiras nao deixão visitar algumas partes são dormitorios mas outras nao e os professores nem sequer podem la entrar e existe umas "janelas" no teto e o sotão acho !!

    ResponderEliminar
  3. desculpe mas sabe alguma coisa sobre documentos escondidos nessa quinta??? é q eu ando lá e chegou-me ao ouvido umas coisas sobre esses papeis...

    ResponderEliminar
  4. Cara Anónima,


    é perfeitamente natural ouvirem-se tais coisas, pois fazem parte do imaginário de locais históricos como Sintra, ou como a Quinta do Ramalhão.

    Apesar de natural, é sempre interessante saberem-se essas histórias que se ouvem.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  5. Gostaria de perguntar, se os tuneis q passam por baixo do ramalhão sao veridicos e se existem entradas dentro do ramalhão... também gostaria de saber se me sabe dizer mais ou menos em q zona da quinta do ramalhão se encontrava o cemiterio, pois como deve saber todas as quintas reais tinham o seu preóprio cemiterio
    Obrigada, espero resposta o mais breve possivel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Anónima,

      muito provavelmente existirão galerias, curtas ou longas, pois praticamente todas as propriedades na Serra de Sintra, ou próximas lhe sendo, possuem minas de água.

      Quanto às "quintas reais", nem todos os Paços ou Casas das Rainhas tinham cemitérios. Apesar da implementação de leis sanitárias ter tido o seu maior destaque desde o fim do século XVIII até ao início do século XX, a proibição dos enterros nas igrejas deu-se gradualmente ao longo de todo o século XIX. Outro aspecto, é no que toca à discriminação: ao que parece, aqueles que tinham cemitérios, tinham-nos para criados e demais serviçais. Na era da monarquia em Portugal, é difícil conceber que um nobre fosse sepultado fora do espaço que "lhe atribuía" a linhagem. Por isso, na Quinta do Ramalhão, é muito provável que os enterramentos fossem feitos na capela, como aliás está na tradição oral, e envolvendo até sepultamentos de criadas. Isto, para além de outras perspectivas sobre o assunto que seria possível explanar.

      Com os melhores cumprimentos

      O Caminheiro de Sintra

      Eliminar

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra