colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


terça-feira, 6 de julho de 2010

A Lenda de Agharta e os Subterrâneos de Sintra (Agharti, Agartta, ou Agartha)


© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Vídeo: O Caminheiro de Sintra
Imagem: Arquivo do Caminheiro de Sintra




  Repleta de subterrâneos, a Serra de Sintra toma sempre proeminência no fantástico presente na mente das pessoas. Alguns autores referem que o "Mundo de Agharta" encontra uma das suas entradas na Serra de Sintra. Mas o que é o "Mundo de Agharta"? E porquê em Sintra?

  Para responder a essas duas questões, é necessário ter em conta que o racionalismo se deve sempre manter claro, límpido e lúcido, de forma a que as emoções não se sobreponham, fazendo esquecer o verdadeiro propósito do pensamento, que é a elucidação e a compreensão de um quadro completo, baseando-se em factos concretos.

  Agharta - também conhecida como Agharti, Agartta, ou Agartha - de acordo com alguns textos da religião do Budismo, é um Mundo que se encontra abaixo da superfície do planeta Terra, e Mundo no qual, se encontra a sua principal cidade, Shambhala - também conhecida por Shambala e Shambala.

  Porém, antes de se continuar e de se esquecer o propósito da referência a Shambhala [nota: link de site em inglês, devido à qualidade dúbia da versão portuguesa], e ficar apenas com a impressão do fantástico nas emoções, é necessário compreender o que é Shambhala, e qual a sua relação com Agharta e com Sintra.

  De acordo com o Budismo e sendo mencionada no Kalachakra Tantra (ancestral escrito do Budismo), Shambhala é a principal cidade do Mundo subterrâneo de Agharta, onde nessa se encontra o mítico reino da Terra Pura [nota: link de site em inglês, devido à qualidade dúbia da versão portuguesa], para onde o espiritual e o físico se conseguem passar, através da forma mais pura de Budismo, alcançável pela meditação. Ficamos assim então, com o Mundo de Agharta, e a sua principal cidade, Shambhala. E Sintra? Virá a seu tempo.

  No ocidente, e embora não ter sido o primeiro a falar de Agharta, foi Saint-Yves d'Alveydre o maior impulsionador do Mundo de Agharta, no Séc. XIX. Saint-Yves dizia que visitava frequentemente Agharta através da meditação, e que inclusive sabia a sua localização no mundo físico (ou em termos geográficos), mas por razões de segurança dos seus leitores, não revelava a sua localização. Dizia ainda que "...o território sagrado de Agharta é independente, sinarquicamente organizado e composto por uma população que se eleva a um número perto de vinte milhões de almas", e que "...reina nela uma tal justiça que o filho do último dos párias pode ser admitido na Universidade sagrada; os delitos são reparados sem prisão nem polícia. Fala-se nela, a língua universal, o vattan. A organização de Agharta é circular; os bairros estão dispostos em círculos concêntricos".

  E na descrição de Agharta segundo Saint-Yves d'Alveydre, descobre-se que esta terra pura, na descrição do autor, se começa a cruzar com a descrição da Atlântida, segundo Platão nas suas obras "Timeu ou a Natureza", e "Crítias ou a Atlântida". O cruzamento é facilmente perceptível, se tivermos em conta: primeiro, a influência dos escritos gregos clássicos; segundo, a semelhança de disposição geográfica da ilha da Atlântida e do Mundo de Agharta e as descrições de ambos; terceiro, a pureza e o estado avançado das raças, tanto do Mundo de Agharta como dos Atlantes; e por fim, quarto, e de forma concludente, a lenda da Atlântida diz que a mesma se abateu, ficando no fundo do mar, ou no fundo do planeta Terra, segundo umas ou outras crenças, sendo assim a sua localização, em muito semelhante a Agharta, no fundo do planeta Terra.

Os Subterrâneos de Sintra e o Mito de Agharta


  E assim, no Séc. XIX, Agharta começou a ganhar as influências do ocidente, na transmissão do seu mito, na teosofia e na mitologia. E Sintra? Onde aparece Sintra, relacionada com Agharta?

  A Serra de Sintra aparece por fim relacionada com Agharta, muito provavelmente no fantástico de muitos autores, devido aos seus inegáveis subterrâneos, grutas, minas de água, e também em parte relacionado com a fusão na mente dos ocidentes ou na percepção desses, do Hinduísmo e do Budismo, da Ásia, e do Sânscrito, através das inscrições indianas da Quinta da Penha Verde [nota: post com as inscrições, a ser publicado].

  É desse modo também, que Sintra pelo sentimento que imprime em quem a visite ou quem com ela convive, seja encarada como a entrada de um Mundo melhor, de um Mundo de pureza, tal como o mito relata que o Mundo de Agharta assim é.

  Assim, a Lenda de Agharta na Serra de Sintra, é apenas um ideal que resulta da fusão da percepção das pessoas, e que reflecte aquilo que o ser Humano procura, que é um Mundo melhor, mas um Mundo que só será conseguido com os pés assentes no chão, e a mente lúcida.

  Curioso é também o facto de que Saint-Yves d'Alveydre dizia que "...Agharta em sânscrito significa o impossível de encontrar".


© O Caminheiro de Sintra

27 comentários:

  1. frequentante do monte lua7 de julho de 2010 às 02:15

    os tuneis subterraneos são explicados pelo facto da serra de sintra, ser de origem vulcânica, mas ñão percebo porque é que há o tal interesse da CMS em ignorar esses tais tuneis, sendo o unico "spot" divulgado, a quinta da regaleira e mesmo assim é dito que foram mandados construir...quando é claro que aquilo não foi mandado construir por acaso, ou seja, não foi feito de raiz (já lá estava qualquer coisa)

    ResponderEliminar
  2. Caríssimo frequentante do monte da lua,

    no meu ver, o grande problema em relação aos subterrâneos de Sintra, é apenas a questão de o ser Humano ser facilmente deixado levar pelas emoções que lhe toldam o racionalismo ou o poder do uso da razão.

    Existiram reentrâncias de raíz, mas praticamente todas foram - literalmente - aprofundadas, o que é notório em todas elas através dos vestígios da mão Humana.

    Assim sendo, e tendo o Homem trabalhado esses subterrâneos, e como em qualquer trabalho que o Homem realiza, foi com um propósito objectivo, tenha ele sido espiritual ou prático, mas puramente objectivo - existindo contudo muito mais provas em relação a partes práticas, do que em relação a partes espirituais, como se pode ver nos posts existentes, e principalmente se verá em posts que irão ser publicados neste blog.

    Quanto à Câmara Municipal de Sintra os ignorar, terá muito provavelmente a ver com o não ter mãos para tudo, e não querer assumir riscos para com os frequentadores da Serra de Sintra, tal como neste Inverno que passou foi notório o abatimento de várias minas de água - a preservação da vida Humana, o que é louvável, mas por outro lado, o descuido em relação a determinados "monumentos" da cultura, o que difícilmente é aceitável por qualquer pessoa (repare que não estou a dizer que me insiro ou não me insiro neste último grupo).

    Com os melhores cumprimentos

    Raskolnikov

    ResponderEliminar
  3. FOI COM REDOBRADO PRAZER QUE LI TODO O VOSSO SITE. FAZ MAIS DE 47 ANOS (AOS 14 ANOS DE IDADE) QUE INICIEI A EXPLORAÇÃO DE VÁRIAS GRUTAS E SUBTERRÂNEOS DO CONCELHO DE SINTRA, INCLUSIVÉ O SUBTERRÂNEO QUE PARTIA DA SUB-CAVE DA ADEGA DAS CAVES AO PALÁCIO DE SINTRA, PASSANDO AO LADO DE UM HOTEL QUE LÁ EXISTIA (NÃO VOU A SINTRA HÁ MAIS DE 35 ANOS). NO QUE CONCERNE A AGHARTA ESCREVI ALGUNS ARTIGOS SOBRE ELA E CONFIRMO A EXISTÊNCIA DE UMA ENTRADA EN SINTRA QUE RECONHECI E CHEGUEI A PENETRAR... ME SENDO DESACONSELHADO... SUPERIORMENTE... A DEIXAR QUIETO... ALÉM DAS CONHECIDAS GRUTAS DE SINTRA OUTRAS EXISTEM QUE NÃO SÃO DO CONHECIMENTO PÚBLICO E IRÃO PARA A COVA... COMIGO... DENTRO DE 17 ANOS, QUANDO CONCLUIR OS 78... COMO VÊM NÃO SOU APENAS O TÃO CONTROVERSO ESPELEÓLOGO DO ESPELEO CLUBE DE SINTRA DOS ANOS DE 1973... VOU A PORTUGAL DENTRO DE UM MÊS E PROVAVELENTE VISITAREI SINTRA E A MINHA SERRA... LÁ PARA AS BANDAS DA QUINTA DOS FINAODS KINGSBURY, DE ONDE SAIU A CHORCA DE OURO COM 4.000 ANOS QUE ESTÁ NO BRITISH MUSEUM E ONDE PARTICIPEI DE UM BELO JANTAR NO INTERVALO DO QUAL APRECIEI UM BELO EXEMPLAR DE GANJO EM OURO DE CABELO FEMININO COM 3.800 ANOS. NAS UM DIA ESCREVEREI SOBRE TUDO ISSO. CORDIAIS SAUDAÇÕES. ALEXAN DRE MORGADO

    ResponderEliminar
  4. Caro Alexandre,

    e é com prazer que o vejo a escrever aqui no meu Palácio.

    Já tenho um post a ser preparado sobre o túnel da Adega das Caves, e outro sobre si, que possivelmente agora ficará mais completo, nem que seja por o Alexandre o poder ler.

    Quanto ao resto, convido-o a vir aparecendo aqui n'O Secreto Palácio de Sintra, para ir matando saudades da Serra de Sintra.

    Com os melhores cumprimentos

    Raskolnikov

    ResponderEliminar
  5. Boa noite. Desde ja quero dar-lhe os parabens por este blog que esta de facto muito bom. Existem varios blogues de Sintra, e enquanto sintrense ate ja quis iniciar um, por achar que nao havia ainda nenhum blog que falasse da nossa serra de varios prismas. Contudo, reconheço que abandonei essa ideia ao dar com o seu blog uma vez que sei admitir que nao conseguiria fazer um tao bom quanto este com o rigor, e dedicaçao que aqui denoto.

    Quanto a este post, ja tenho lido varias coisas acerca deste tema, li inclusivamente um livro em que este mito vinha descrito e onde se falava bastante nos tuneis. De facto fascina pensar que tal coisa existe, e desejava que tudo isso de facto fosse verdade, no entanto, ja tinha como que posto de lado estas leituras e eis que leio o comentario do Sr.Alexandre Morgado. Fiquei novamente a pensar nisto...Se me puderem responder a esta questao agradecia imenso: Que evidencias existem de facto que provem tudo isto? E porque e q nao se fala mais no assunto se de facto e verdade? Faz lembrar tantas outras historias q por aqui se ouvem e q ninguem sabe dzr ao certo mas e assim q funcionam os mitos...

    ResponderEliminar
  6. Caro Miguel,


    antes de mais congratulo-me por receber um comentário como o seu, com tanta consideração endereçado, e tão bom feedback trazendo.

    Relativamente aos subterrâneos de Sintra, são realmente uma imagem para a mente, que é capaz de fascinar aquele que possui o pensamento mais lógico. No entanto, se se atentar aos factos, colocando os pés bem assentes na terra, mesmo que as coisas possam perder o seu fascínio, terão sempre uma elevada importância para nós, pois fomos capazes de ultrapassar o domínio das emoções, e ir mais além, até à compreensão do objecto em si.

    Concretamente a Agharta, posso dizer-lhe que este post está a ser reconstruído há poucas semanas, com alguns factos novos - novos, relativamente aos que aqui estão presentes, no actual post (11/09/2010). Já no que toca aos subterrâneos de Sintra, dentro em breve (próximos meses) será colocado um post sobre as várias abordagens possíveis de serem realizadas, os factos que a história nos dá, e as questões (lúcidas) que ficam por responder. No entanto, tanto a abordagem de Agharta como a abordagem dos subterrâneos de Sintra, será feita com os pés bem assentes na terra, baseada em factos, e com a lucidez necessária - embora possa falar de crenças de outros existentes (como por exemplo Agharta), tentanto sempre respeitá-las.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  7. Boa noite mais uma vez.
    Antes de mais, quero reforçar que não duvido ou questiono a veracidade das afirmações que aqui faz pois parecem-me ser temas bastante bem explorados tanto do ponto de vista mais esotérico como do mais científico e isso é de facto notável já que não existem muitos blogues com uma abordagem tão "imaparcial".
    Ainda quanto ao tema deste post, ficarei então à espera de novidades e actualizações do mesmo já que enquanto admirador inquestionável de Sintra ainda não esotu satisfeito com o pouco que sei relativamente a isto.

    Quero também aproveitar para dizer que o seu blog presta um serviço cívico importante já que mesmo enquanto sintrense, também sou "caminheiro" da serra e dos seus locais por vezes menos conhecidos e desconhecia a Anta de que fala noutro post. Claro que entretanto já preenchi esse vazio e já a visitei recorrendo inclusivamente à localizção que forneceu.
    Resta-me portanto agradecer uma vez mais pelo seu trabalho, e gosto de ver que a admiração que tenho por esta serra e pelos seus locais, existe noutras pessoas da mesma forma ou ainda mais acentuadamente.

    ResponderEliminar
  8. Caro Miguel,


    e muito satisfeito me deixaram as suas palavras e o seu reconhecimento de validade deste blog através dessas.

    Convido-o a estar próximo (ou a ser uma sombra deste Secreto Palácio de Sintra, na coluna à sua esquerda) deste post e da sua actualização, bem como para estar atento aos dos subterrâneos de Sintra, que creio que o irão também ajudar na clarificação da imagem sobre este tema, presente na sua mente.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  9. Parabéns pelo Blog, muito bom, de facto.

    Existe alguma relação com a Ordem de Agharta da qual pertence a familia Real Britanica?

    Obrigado.
    Nuno

    ResponderEliminar
  10. Caro Nuno,


    antes de mais, agradeço o elogio, bem como a colocação da sua dúvida.

    Sendo honesto, poderei dizer-lhe que não conheço a referida "Ordem de Agharta" que mencionou. No entanto, pode ser que por este post passe alguém que disso tenha conhecimento e que possa partilhar a informação.

    Quanto ao conteúdo deste post relativo a Agharta, irá ser expandido nos próximos tempos.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  11. uma dúvida. Se o povo que vive no interior da terra de fato existe como que conseguiriam ficar bem com vulcões terremotos etc ? E oxigenio? E por que nao mantém contato com a superficie?
    Desde ja agradeço

    ResponderEliminar
  12. Caro giovanni,


    agradeço e compreendo perfeitamente as suas questões, mas não consigo responder a essas.

    Pode ser que por este post apareça alguém que o consiga fazer.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  13. divino seu blog...fiquei encantada com tantas informacoes uteis que da gosto de ler....te add..
    no facebook...abracos

    ResponderEliminar
  14. Cara Mahya,


    agradeço de sobremaneira as suas gentis palavras.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  15. O tema sobre a "Terra Oca", ou Agharta está hoje em dia a ser considerado como tema muito sério e com descobertas recentes bastante intrigantes e polémicas. Basta ver a quantidade de videos existentes no Youtube sobre este tema. Os EUA proibem imagens satelites dos polos da terra, e nem os satélites ou aviaçao civil podem atravessar aquela área . Porque será? Talvez Agharta não seja só um mito.

    ResponderEliminar
  16. Caro Anónimo(a),


    não querendo (e não devendo) fugir ao tema principal deste blog, que é Sintra, sinto que devo dizer algumas coisas em relação ao seu comentário não querendo - de maneira alguma - criar qualquer atrito ou conflito que seja, mas também não deixando empolar algo em termos extremistas.

    Em relação ao que disse, primeiramente os EUA não dominam as Leis Internacionais. Depois, o Polo Norte não é uma ilha formada por "terra", mas sim uma ilha formada por gelo (passível de ser atravessada de forma submersa). O Polo Sul em termos da Lei Internacional, está dividido soberanamente pelo Reino Unido, Nova Zelândia, França, Noruega, Austrália, Chile, e Argentina. Mais: os satélites sobrevoam os polos, no que é chamado de Órbitas Polares, como se pode ver aqui nas trajectórias de um dos satélites Iridium http://www.satobs.org/image/irid3d.jpg. Ainda que não existisse conhecimento destes factos, bastaria saber a razão de ser das auroras boreais, para tentar colocar em causa o sobrevoo da aviação, ou as órbitas dos satélites sobre os polos Norte e Sul.

    Isto para tentar dizer que mais do que ver vídeos no Youtube, é necessário compreender principalmente a física e a química, e ter cabeça própria para se pensar por si na realidade (imediata). É trabalhoso, mas permite-nos compreender o nosso Universo um pouco melhor, e mais do que isso, compreender a Vida, um pouco melhor. Especular sobre este tipo de fenómenos sem compreender coisas como a capacidade de detectar elementos em estrelas, ou até como se desencadeia o fogo a nível molecular (ou atómico), é apenas alimentar fundamentalismos quer de teólogos, quer de evolucionistas, e este blog servirá para tudo menos para discutir esses temas, por muito interessantes que sejam.

    O que pretendo frisar - mais uma vez - é que é importante termos consciência daquilo que dizemos em espaços públicos, visto que poderemos influenciar erroneamente terceiros, que sejam passíveis de serem influenciados. A verdade por norma é algo não-linear, que não se situa em extremos. É isso tão difícil como alguém não se deixar influenciar pelos extremos da Criação e da Teoria da Evolução, e ficar no meio termo, usando a sua própria cabeça.

    Nada disto do que disse pretende desrespeitar crenças, quaisquer elas que sejam. Cada um tem o direito de acreditar naquilo que desejar, seja isso positivo ou nocivo - em termos relativos que sejam distanciados de extremos. Apenas decidi responder desta maneira ao seu comentário, por aquilo que acima citei.

    Que Sintra possa sempre dar-lhe tudo aquilo que faça a sua mente se libertar de amarras que o(a) prendam, e a levem para os vários e extensos Mundos da Vida.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  17. Parabéns pelo espaço, virtual mas existente.
    E pela correcção ao tema da "Terra Oca" que ilude tanta gente, que reflete tanto o observador desejoso. E reflete bem, cada um.

    Mas também gostaria de reencontrar o que um dia está e noutro não. Fica o meu contacto.

    Cordialmente,
    DuLac.

    P.S. - Ao espreitador:
    Mistério?
    Não há nenhum. Quando se espreita pode-se encontrar um espelho, e o receber aquilo que se dá. Mais justo não há.

    Palavras, explicações?
    São enganos, não as há! São ficção de quem cobiça, ou oferece cobiçando.

    Há o mito (onde?) e há a mistificação (onde?).
    E cohabitam sem se encontrar (onde?). Em cada um.

    ResponderEliminar
  18. Caro DuLac.,

    a si só lhe direi que é para mim um prazer imenso quando encontro alguém com uma lucidez semelhante à sua, pessoas as quais não sentem barreiras para expandir a "alma", quer em ideias para si, quer em palavras para os outros, como o fez. Muito obrigado.

    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  19. Seria as auroras o reflexo do sol de agartha?
    abraço.

    ResponderEliminar
  20. Caro Anónimo,

    tentando não me desviar do tema principal d'O Secreto Palácio de Sintra dir-lhe-ei apenas que a aurora boreal tem que ver com o magnetismo da Terra e com a fusão de hidrogénio (em hélio) no sol em conjunto com o magnetismo desse.

    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  21. Caríssimos,
    Interpretar Sintra é reviver todo um passado glorioso e místico que teve origem muito antes da invasão moura na Europa. Desde o período calcolítico o Homem peregrinava rumo ao extremo ocidental do continente europeu em busca de Deus.Independente de serem monoteístas ou politeístas viam o sol como o próprio Deus. Durante centenas ou milhares de anos o homem buscou a espiritualidade de uma outra forma : encontrar o túmulo de Deus, o local onde ele ressucitava todos os dias. Dentro de um pensamento concreto e lógico, tal lugar, encontrava-se além da linha do horizonte,além do crepúsculo.É notório observar, monumentos pré históricos em falésias por toda a península ibérica a exemplo de Santiago de Compostela.Descobrir onde Deus "dorme" e "acorda" era como contemplar a sua face.A "anta" de Adrenunes, seguindo este raciocínio e na falta de ossos humanos que nunca foram encontrados, foi um observatório astronômico. Contempla- se uma visão inacreditável em soltícios de verão e inverno.
    Sintra está na alma do homem desde tempos imemoriais e por esta razão ela já é o nosso templo interior

    ResponderEliminar
  22. Caro Cavaleiro Andante,


    muito obrigado pelo seu contributo pessoal e tão rico, bem como pela demonstração nas suas palavras do seu amor a Sintra.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  23. boas viaJANTES DE SINTRA.DAQUI CLARISSSE. tambem ja li bastante sobre o assunto, inclusive uma possivel ligação subterranea a arrabida.
    mas o que me intriga mais por acaso alguem ja reparou nas smelhanças entre sintra e glastonburry???principalmente nas passagens subterraneas...os celtas faziam uma iniciação que alias como todas as iniciações de grandes civilizações iniciaticas, incluia a passagem plo subterraneo, simbolizando a morte, e a renascença...ir ao ventre da terra, sucumbir ao seu poder, e regressar áluz, renascer...tal qual como nascemos do ventre de nossa mãe...há milenios que se pratica tais iniciações...e glastonburry é mto parecido com sintra...sintra para lá do nevoeiro, para lá do mar...uma avalon, talvez??a viagem para avalon iniciava-se em glastonburry...
    á

    ResponderEliminar
  24. Gostaria de saber se tem alguma possibilidade de se comunicar com o povo de agartha, e pedir permissão para entrar pela pedra da gavea.
    Muito obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. desculpe eu gostava de saber se sabe alguma coisa de armadilhas dentro dos tuneis, e se as cobras (esculpidas) significam alguma coisa, e se os tuneis eram feitos em labirinto
      fico à espera de uma resposta
      muito obrigado

      Eliminar
  25. Caro Amigo,
    Tive um sonho que ajudava uma mulher que o seu carro estava com defeito, após ajudá-la ela me disse: já que me ajudou vou te mostrar algo! Vi uma cidade linda de cima,ela estava no interior da terra, a cidade tinha pessoas,logo vi eram vários círculos,giravam!,cada um tinha uma cor, um totem, um simbolo.Uma visão estranha e fora do comum mas me pareceu abstrata, fiquei com a imagem por muito tempo na cabeça, após ler seu texto me deu vontade de escrever essa experiencia, que de passagem não é científica, mas intuitivamente acho que tem ligação com o que disse.
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Roberto,

      agradeço a partilha de algo tão íntimo da sua parte. O seu gesto foi estimado.

      Com os melhores cumprimentos

      O Caminheiro de Sintra

      Eliminar

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra