colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Quinta do Monte Sereno - O Castelo de Betão de Sintra



© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Imagens: Arquivo do Caminheiro de Sintra


"o castelo de betão" ou "o castelo do pasteleiro", em Sintra, emergindo da floresta
na verticalidade da sua arquitectura

    Elevando-se por entre as árvores no cume do monte visível na estrada de São Pedro, antes de se passar pela fonte de São Pedro (autoria do projecto desta, de Raúl Lino), é conhecido o seu edifício acastelado como "Castelo de Betão", "Castelo de São Gregório", "Castelo do Pasteleiro", nomes - exceptuando-se o óbvio do primeiro - que provocam curiosidade em quem os oiça pela primeira vez, não resistindo a questionar o seu porquê.

chegando de Lisboa e passando por São Pedro, as antigas ruínas de José Gregório (queijadas)
mostram-se agora com uma saúde de urbe

    José Gregório Casimiro Ribeiro, começou a fazer queijadas em 1890. Estranho início de parágrafo para esta Quinta do Monte Sereno, sem dúvida. Em 1911 juntou-se a um familiar das Queijadas da Sapa, não resultando perfeitamente a sociedade, pelo que em 1916, estabelecia-se por sua própria conta, com a Fábrica de Queijadas Recordação de Sintra. Hoje, com outro nome, onde a caminho de Sintra a figura do Polícia Sinaleiro se encontra a chamar a sua atenção para as queijadas.

    Entre 1925 e 1927, José Gregório decide construir uma pousada em forma de castelo, "rivalizando" assim com o Castelo dos Mouros, e o Palácio da Pena, nos montes seguintes da Serra, para de certa forma o "dar" aos visitantes de Sintra.

do Lugar da Cruz, e servindo aqui o Monte Sereno como fundo à Casa da Gandarinha

    Ao que parece, em meia dúzia de anos o projecto é abandonado a meio por razões monetárias. O sonho de José Gregório solidificava-se assim, numa ruína de um moderno castelo inacabado.

    Em 1933, o casal Sessel adquire a moderna ruína, e com o auxílio do arquitecto Jorge Santos, é levantado num dos cumes de Sintra um novo edifício acastelado que tentando absorver o imaginário do Palácio da Pena, do Castelo dos Mouros, e do Palácio da Vila, é projectado como com um escalonamento de pequenos zigurates em suas duras linhas verticais de áspero cimento, formas do estilo Art Déco.

    Cuidado hoje em dia, é propriedade privada.


© O Caminheiro de Sintra

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra