colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


quarta-feira, 14 de abril de 2010

"O Mistério da Boca do Inferno" ou Fernando Pessoa e Aleister Crowley - Parte II



© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Imagens: Arquivo do Caminheiro de Sintra (1ª); blog SWT (2ª)



Ainda no dia 18, Crowley vem para Lisboa e encontra-se com Fernando Pessoa, mostrando-se preocupadíssimo com Miss Jaeger, pois dizia que essa estava perturbadíssima e tinha o desejo de se suicidar, pois achava-se perseguida por um mago negro de nome Yorke.

Acabaram por nunca encontrar Miss Jaeger, nem a detectaram em parte alguma da fronteira, a sair do país em que momento fosse.

Crowley ficou em Lisboa até dia 23, seguindo depois para Sintra, onde iria ficar uns dias no Casal de Santa Margarida (a seguir ao bar Estrada Velha), à altura sendo a casa do dono do negócio da Shell em Portugal.


No entanto…Fernando Pessoa afirma ter visto Crowley por duas vezes no dia 24, sendo que uma dessas vezes foi no Rossio, e outra no Cais do Sodré, a entrar na Tabacaria Inglesa. Em ambas não estava a uma distância que com Crowley pudesse entrar em contacto.

Mas no entanto…a Polícia Internacional viria a dizer tempos mais tarde, no fim do mistério e para o mais adensar, que Crowley havia passado a fronteira do nosso país, no dia 23.

E no entanto…no dia 25, Augusto Ferreira Gomes - amigo ocultista de Fernando Pessoa, jornalista no Notícias Ilustrado - encontra acidentalmente junto à Boca do Inferno em Cascais, uma cigarreira (de Aleister Crowley) com uma mensagem debaixo dela.


Segundo os factos que todos possuiam, Aleister Crowley tinha ido para Sintra no dia 23, saído do país no dia 23, sido visto em Lisboa no dia 24, e no dia 25 a (sua suposta) mensagem era encontrada à beira da Boca do Inferno.

A dita, regia-se pelo seguinte:


"Ano 14, Sol em Balança

L.G.P.

Não posso viver sem ti. A outra “Boca do Inferno” apanhar-me-á - não será tão quente como a tua.

Hisos!
Tu
Li
Yu"


Continua no papel seguinte...


© O Caminheiro de Sintra


As outras partes d'O Mistério da Boca do Inferno:

I. Aleister Crowley e Fernando Pessoa ou "O Mistério da Boca do Inferno" - Parte I
III. Fernando Pessoa e Aleister Crowley ou "O Mistério da Boca do Inferno" - Parte III
I.II. Solução d'"O Mistério da Boca do Inferno" - Parte I
II.II. "O Mistério da Boca do Inferno" ou Fernando Pessoa e Aleister Crowley - Parte II da Conclusão

Sem comentários:

Enviar um comentário

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra