colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


domingo, 27 de junho de 2010

Chalet Biester em Sintra - do Comerciante, do Dramaturgo, e ainda do filme "The Ninth Gate" ("A Nona Porta", com Johnny Depp)



© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Imagens: Arquivo do Caminheiro de Sintra


O Chalet Biester, também palco
do filme A Nona Porta
  O Chalet Biester, sito na Estrada da Pena, à vista de todos que pela Vila de Sintra e que pelo alto do Castelo dos Mouros passam, mas escondido desses sendo o seu nome, data de 1890, e a sua construção foi plano do arquitecto José Luís Monteiro - responsável entre outras obras pela nave da Estação do Rossio e pelo aumento do Parque Eduardo VII (esta última, a par do engenheiro Frederico Ressano Garcia) - ao qual foi requisitado que utilizasse um estilo denominado Queen Anne (ou Barroco Inglês), mistura de neogótico e neo-românico.

Planta do Chalet Biester
  Para o interior do Chalet Biester, o escolhido foi Luigi Manini, arquitecto e pintor, que à altura vivia em Lisboa, sendo encenador no Teatro São Carlos. Recorde-se que Luigi Manini foi o responsável pelas belíssimas obras do Palácio Hotel do Buçaco, e pela Quinta da Regaleira em Sintra, esta última, a pedido de Augusto Carvalho Monteiro, e em detrimento de Henri Lusseau, responsável pelo primeiro projecto do Parque da Liberdade em Lisboa, posteriormente Parque Eduardo VII.

  Luigi Manini utiliza assim no interior frescos medievais, combinando-os com o gótico flamejante, e o estilo próprio da época, mescla da qual saem os vitrais multicolores encomendados em França, que dão um colorido clássico ao interior, iluminando também os móveis criados por Leandro Braga, o artista entalhador que criou igualmente peças para o Palácio da Ajuda, e para o Palácio de Belém (residência oficial do Presidente da República Portuguesa).
Interiores

  Quanto ao proprietário, "Biester" de nome de família, surgem duas versões em vários textos aludindo a duas diferentes pessoas: Ernesto Biester, grande comerciante de cortiça, de origem alemã, à época há muitos anos em Portugal; Ernesto Biester, criador de inúmeros textos, dramaturgo, jornalista, e empresário do Teatro D. Maria II, que nasceu e faleceu em Lisboa.
Oratório do Chalet Biester

  Quanto a estas duas versões, a elucidação chega de uma forma bastante simples: Ernesto Biester, o português, faleceu em Lisboa em 1880, e como o Chalet Biester data de 1890, só poderá ter saído da vontade de Ernesto Biester, o comerciante de cortiça alemão. [nota de Fevereiro de 2012: não é tão simples quanto isso, e longe de ser simplista como a forma como o expus; no entanto, decorre a investigação relacionada com o tema deste parágrafo]

  É possível também encontrar no número 4 da revista A Architectura Portugueza, de 1908:

[nota: com ortografia da época] Em detalhe, toda a construcção é um mimo. Exteriormente, o arco abatido que emmoldura a porta dupla de entrada, arco em que se ergue um balcão coberto, constitue, no seu conjuncto, um motivo delicioso em que [José Luís] Monteiro affirma, simultaneamente, o seu valor de constructor e de artista. D’uma grande simplicidade, casando-se admiravelmente com a restante fachada de que esse motivo é a parte central e principal, as columnas que, n’elle, entram, sem deixarem de representar a sua funcção structural, de supporte, são d’uma graça e leveza incomparáveis, e a maneira como Monteiro deu a máxima cor, sem volumes excessivos, a esse detalhe da fachada, é tambem uma affirmação, e boa, da sua valia.
Internamente, se Monteiro teve a collaboração de Manini e Leandro Braga que, sobretudo na sala de jantar, mostrou quão grande era o seu valor de technico e artista, a sua direcção adivinha-se em toda a parte, ainda mesmo n’um ou n’outro ponto em que a phantasia de Leandro Braga, sentindo-se mais à vontade, se expandiu por isso tambem mais livre e acentuadamente. Desenhador d’um valor que, ainda hoje, é lembrado como tal pelos seus companheiros do atelier Pascal, Monteiro, sem prejudicar a visão de Leandro Braga que era o primeiro a respeitar, detalhou até à ultima, sempre que o julgou necessario, qualquer pormenor em que Braga interveio e que Monteiro entendia estar dentro da sua alçada. No resto, Braga, subordinando-se ao plano geral, fez só o que a sua consciencia de artista lhe ditou. E assim, a obra dos dois, se por vezes se funde, funde-se sempre em virtude do esforço consciente de ambos, não trazendo por isso prejuizo a um ou a outro, mas antes dando-lhes mais lustre e gloria.
Interiores
O parque que, como já dissemos, é obra de Nogré, é uma maravilha. Como Polixénes do “Conto d’Inverno” de Shakespeare, que dizia que “a arte que ajuda a natureza é a arte superior porque é, por assim dizer, ainda a natureza”, o sr. Nogré fez o seu jardim Biester no estylo da paysagem, limitando-se sempre que lhe foi possivel, acabar a obra principiada pela natureza, e isso sem esquecer a casa que o jardim tinha de enquadrar. N’esta orientação, traçou-lhe todas as ruas e alamedas de forma a fazer valer, de todos os lados e o melhor possivel, a silhueta geral do edificio. Ora avultando em pittorescos maçissos, ora ondulando, naturalmente, sem outra cobertura além da que lhe dá a herva cuidadosamente aparada, o parque valorisa-se assim com o mesmo principio de sobriedade que caracterisa, na alternação dos espaços nus e decorados, o estylo romanico. E, correndo em todos os sentidos, ao longo das três faces posteriores da casa, que umas vezes quasi desapparece sob a massa dos seus tufos, outras surge desafogada, e ainda outras apparece enquadrada e recortada da folhagem, esta oferece-se, por esta fórma, continuamente, a quem a olha de fóra, como um elemento sempre original e novo.
Notas: Na casa Biester, collaboraram as seguintes pessoas: mestre Costa, tendo por encarregado de carpinteiros seu sobrinho Carlos da Costa Soares, ambos de Cintra. Este ultimo, quando aquelle se impossibilitou por doença, substituiu-o como mestre da obra até final, mostrando a sua muita competência. Os estuques são de Domingos Antonio da Silva Meira; a esculptura em madeira de Leandro Braga e a pintura decorativa de Luigi Manini, excepto o arauto que se vê na entrada que é de Baeta, tambem distincto pintor. A guarnição de ferro forjado da grande chaminé da sala de jantar é de José da Quinta, artista serralheiro de grande valor.


Johnny Depp no Filme A Nona Porta,
ao portão do Chalet Biester
  O Chalet Biester foi também palco de uma parte do filme The Ninth Gate (A Nona Porta) de Roman Polanski, em que o protagonista principal foi o actor Johnny Depp (mais abaixo podem-se ver dois vídeos com a parte do filme rodada no Chalet Biester). Johnny Depp que assume o nome de Dean Corso, que é um especialista - um pouco ganancioso - de livros raros, e que a mando de um milionário (Boris Balkan) é mandatado para encontrar três cópias de Os Nove Portais para o Reino das Sombras, de 1666 e supostamente escrito pelo próprio Satanás e por um autor veneziano de nome Aristide Torchia - possívelmente inspirado na vida de Giordano Bruno. Em Sintra, Dean Corso vai a casa de Victor Fargas, detentor de uma cópia de Os Nove Portais para o Reino das Sombras, e que vive com um estilo de aristocrata em decadência que já sem mobiliário no Chalet Biester, vende o que resta da sua extensa colecção de livros para poder comprar comida e pagar os impostos. O filme é uma adaptação do livro The Club Dumas (1993) de Arturo Pérez-Reverte.

  Abaixo, dois trechos do filme A Nona Porta, onde aparece o Chalet Biester (a partir do minuto 7:07 do primeiro vídeo):






© O Caminheiro de Sintra


P.S.: Quanto à localização dos sítios mencionados neste blog, tive durante muito tempo a dúvida se a mesma haveria de ser aqui disposta ou não. Pela resolução positiva, peço que faça o melhor uso possível desta informação, o qual principalmente tem a ver com a preservação do património e a não poluição dos locais sob que forma for. Tendo boa fé em si, deixo-lhe aqui no mapa (seta verde - poderá ampliar o mapa para ver melhor), o Chalet Biester - que é propriedade privada - na Estrada da Pena, Sintra, Portugal:


Ver mapa maior

17 comentários:

  1. Realmente é uma obra arquitectónica de beleza inquestionável. Por essa razão gostaria de ver esclarecidas duas questões: a quem pertence e em que quantia estará avaliado o Chalet neste momento. Possivelmente não estará à venda mas o sonho de o adquirir um dia ainda faz parte do meu ideal.

    Obrigada pela atenção.

    Os meus cumprimentos
    Liliana Marques

    ResponderEliminar
  2. Cara Liliana,

    antes de mais, agradeço ter colocado o seu comentário com as perguntas.

    Creio que o melhor para saber a quem pertence, será ir à Divisão de Urbanismo da Câmara Municipal de Sintra (ao pé da estação de comboios da Portela de Sintra), e relativamente ao valor em que está avaliada, deverá andar entre dois a cinco milhões de euros.

    Com os melhores cumprimentos

    Raskolnikov

    ResponderEliminar
  3. Não sei em que nome está registada a casa, mas sei, por testemunhos directos, que os alunos dos colégios da Opus Dei passam lá temporadas, tipo colónia de férias. Provavelmente é de alguém da Opus ou simpatizante da mesma.

    ResponderEliminar
  4. O seu texto está muito interessante, e agrada-me esse seu interesse por Sintra.
    Mas dado que é Propriedade Privada, penso que não deveria dizer a um desconhecido para onde se deve dirigir (neste caso à Divisão de Urbanismo da Câmara Municipal de Sintra) para saber quem são os proprietários, quanto mais adivinhar uma quantia.
    Respeitando o Anónimo,juntado a outras, achei a história da Opus Dei muito engraçada!

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  5. Caro anónimo de 23 de Setembro de 2010 da 1:06,


    embora não compreendendo a sua preocupação com o adivinhar de uma quantia (e diferença existe entre "adivinhar" e "analisar", pelo menos na cultura onde o Caminheiro de Sintra se insere), digo-lhe que compreendo a sua preocupação relativamente ao conhecimento dos proprietários.

    No entanto - e caso queira nisso notar, somente se caso a isso quiser atentar - dizer que se "crê ser o melhor", não é dizer que fazer uma determinada coisa terá um fim certo ("crê" de crença - atitude de espírito que admite, em grau variável uma verdade); ademais: para efeitos semelhantes em qualquer Divisão de Urbanismo de qualquer Município, é necessário realizar um requerimento, que envolve várias coisas, entre as quais informações pessoais e fiscais, para além de que ter-se-á de dar também parte do intuito, e dar provas desse mesmo intuito. Como pode verificar, não se trata de ir a um balcão da Câmara, fazer uma pergunta, e responderem-nos. Isto é claro, pelo menos na cultura e tempo onde o Caminheiro de Sintra se insere, não sabendo quais os seus, e respeitando-os se nesses assim não se passar.

    Devo também acrescentar, que saber o nome de qualquer proprietário é tarefa fácil. Basta ter-se desenvolvido capacidades comunicativas, e na verdade dos sentimentos e intuitos, apresentar-se com nome às claras, e justificar com respeito, questões e - especialmente - afirmações que se façam.

    Qualquer dúvida que lhe possa ter surgido do que acima disse, não hesite em colocar um novo comentário.


    Com os melhores cumprimentos

    O Caminheiro de Sintra

    ResponderEliminar
  6. O Chalet Biestre é propriedade de particulares que nada têm com Opus DEi.

    ResponderEliminar
  7. O Chalet Biester pertece a uma família japonesa que apenas reside na casa em determinados períodos do ano.

    ResponderEliminar
  8. O Chalet Biester também não pertence a japoneses...

    ResponderEliminar
  9. Não faço ideia quem seja o proprietário do Chalet. Apenas sei que sofreu obras de restauro há poucos anos atrás (talvez uns 4/5 anos). Ficou magnifico! Sei que pouco tempo depois do seu restauro, visitei o Castelo dos Mouros. Ao observar a paisagem de Sintra a partir do castelo, identificando os vários locais de interesse, observei o Chalet Biester com a sua "nova" cobertura azul/cinza escura a brilhar no meio do verde da Serra.
    Toda a subida da Pena tem Chalet's muito bonitos, mas este é lidíssimo.

    ResponderEliminar
  10. Essas obras que ocorreram à 4/5 anos atras apenas foi o restauro do telhado.
    O Chalet sofreu obras de restauro muito grandes à cerca de 10 anos.
    Mas de quem será este magnifico Chalet ??? O(s) proprietario(s) devem ser milionário(s), pois acredito que seja uma verdadeira loucura o preço desta propriedade. Um verdadeiro palacio, será que nos sentiremos principes, princesas, reis ou rainhas dentro dele ? :)
    Como alguem já referiu neste "espaço" ..... um dia ainda vou ter dinheiro para o comprar..... se me sair o euromilhoes :):):) ...... por enquanto vou sonhando !!!

    ResponderEliminar
  11. O chalet não pertence a nenhum japonês nem ninguém relacionado com a opus dei. Pertence sim a pessoas bem simpáticas que lá deixam fazer umas belas festas de halloween. A questão do restauro é evidente porque como aparece no filme e como está agora não tem nada a ver, mas gostei bastante tanto do resultado do interior como exterior.
    A casa de inicio assusta quando se está lá dentro, muito pelos motivos e esculturas, mas depois está-se bastante confortável.

    ResponderEliminar
  12. Olá !
    Este palácio pertence a uma familia muito simples e simpáticas !
    é dos monumentos mais bonitos que já vi na vida.

    ResponderEliminar
  13. Olá!
    Também conheço os donos. Como foi dito são pessoas muito simples e que têm um carinho muito grande pelo Chalet.Gostei muito de visitar a casa que apesar de grande é muito acolhedora.

    ResponderEliminar
  14. Boa Tarde,
    Tenho igualmente um grande fascínio por este edifício e gostaria de o visitar pelo menos uma vez na vida. Alguém sabe me dizer como o posso fazer?
    Obrigado

    ResponderEliminar
  15. Boa tarde,
    Gostaria de saber como posso visitar o chalet briester uma vez que tenho igualmente um enorme fascínio por esta construção.
    cumprimentos

    ResponderEliminar
  16. Eu fui aluno do Planalto (Opus Dei) e passei férias no Chalet, em retiro espiritual. Eu e muitos. +

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma vez gostaria de deixar bem claro que o prpprietário NÃO TEM NADA A VER COM A OPUS DEI, nem nunca teve visitas do Colégio Planalto.Fico contente pelo facto de existir tantos apaixonados por este Chalet, mas asseguro-vos que não está à venda nem são permitidas visitas.

      Eliminar

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra