colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


terça-feira, 3 de maio de 2016

Aniversário do Convento dos Capuchos da Serra de Sintra || Dia da Invenção da Cruz (3 de Maio)

   
o altar da Igreja do Convento dos Capuchos da Serra de Sintra


     Hoje é dia 3 de Maio, dia da Invenção da Cruz segundo o calendário litúrgico cristão, em Portugal. A muitos poderá causar estranheza o termo invenção, e a outros - mais avessos - será uma alavanca para a crítica.

     O termo invenção neste contexto vem do latim invenire, o que etimologicamente decomposto dará algo como "ao encontro", dada a preposição in e o verbo venire, representando este último algo como "chegar".
     Resumidamente, tinha o termo invenção na sua etimologia, na sua origem em latim, o significado "encontrar". E é isso que a celebração da Invenção da Cruz comemora: a descoberta da cruz em que Cristo foi crucificado no ano de 325, por Santa Helena.


pórtico de entrada no Convento dos Capuchos
formado por rochas


     Aflorei a Invenção da Cruz pois relaciona-se intimamente com o Convento dos Capuchos da Serra de Sintra. Não por apenas ser uma data coincidente.
     Na igreja do Convento - e para quem não o conheça, terá de desmantelar o arquétipo quadrangular de igreja e substituí-lo pela imagem de uma gruta - encontra-se uma descrição que nos transmite uma vivência, um avivar do passado. Se nos transportássemos no presente 3 de Maio até, por exemplo, aos anos de 1600, chegando até ao átrio do Convento dos Capuchos da Serra de Sintra veríamos a missa ser aí celebrada devido à multidão que a ele tinha acorrido.
     No seio de cada pessoa estava bem presente o que a inscrição transmitia: quem no dia da Invenção da Cruz ao Convento dos Capuchos conseguisse até ao sol posto chegar, e desde que já se tivesse confessado ou intenção de tal possuísse, teria o perdão dos seus pecados. Era-lhe também pedido o rogo por várias entidades cristãs e também pela alma do grande D. João de Castro, um dos mais destacados heróis da história de Portugal que pediu a seu filho para ali erguer o Convento dos Capuchos da Serra de Sintra. O grande D. João de Castro, que faleceu na Índia na maior das misérias e nos braços de São Francisco Xavier.


as escadas da Igreja para o coro alto


     Era esse dia da Invenção da Cruz, o dia 3 de Maio, vivido de forma muito especial no Convento dos Capuchos da Serra de Sintra.

     Mas o 3 de Maio era especial para o Convento da Cortiça - que tinha os seus quartos como caixões para muitos viajantes estrangeiros que o visitavam - também pela tradição que no século XVIII corria no Convento: no ano de sua fundação, 1560, tinha sido no 3 de Maio que recebera a primeira pedra de sua construção, e que o suave vale - então claramente visível - em redor tinha visto as grandes rochas de cume de seu monte serem abertas para as vivências que ali foram intensas durante quase trezentos anos.

o brasão dos Castro e a lápide onde se encontra
a inscrição sobre as indulgências no
dia da Invenção da Cruz


     Pode assim afirmar-se que, segundo a tradição do Convento dos Capuchos da Serra de Sintra, hoje, 3 de Maio, o Convento dos Capuchos faz 456 anos.
     Que o seu espírito possa eternamente perdurar e que o exemplo da mortificação das suas vivências seja continuamente edificado pelo respeito que o lugar merece.













Sem comentários:

Enviar um comentário

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra