colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


quarta-feira, 3 de maio de 2017

Sintra e a Invenção da Cruz: 457 anos sobre a fundação do Convento dos Capuchos, 562 anos sobre o nascimento do Príncipe Perfeito



    Este é um dia especial para Sintra, e especialíssimo para alguns espaços específicos de Serra e Vila.

    E porquê Invenção da Cruz? Porque hoje é dia 3 de Maio, e em Portugal, durante a maior parte do correr do tempo no reino, a Invenção da Cruz foi celebrada a 3 de Maio. Existiram outros dias do ano para o celebrar (cá, tendo também sido a 14 de Setembro) mas para o que hoje interessa e tenho para – de especial – lhe contar, foi no 3 de Maio. A origem do termo – Invenção da Cruz – poderá conhecê-la no artigo que publiquei no ano de 2016, também a 3 de Maio (disponível aqui).

O Convento dos Capuchos da Serra de Sintra, por William Burnett,
década de 1830 (transformação e tratamento de imagem por parte do autor
a partir de original da Biblioteca Nacional de Portugal)

    Temos um Rei, por exemplo, que em termos de impacto pela vivência, pela sua vivência aqui em momentos críticos, pode dizer-se que tem uma ligação especial com Sintra. Não nasceu aqui, mas nasceu num dia da Invenção da Cruz, num 3 de Maio dos anos de 1400. O povo, de saia e barrete, e os eruditos de chapeirão e sapato em ponta, sempre tentaram inventar lendas que o ligassem a Sintra, mas curiosamente essas lendas parece que ganharam vida e no seu recontar colocaram outras personagens da história na vez do nome de D. João II, ou o inverso.

Iluminura do Livro dos Copos, mandado elaborar por D. João II,
podendo ler-se neste fragmento
Saibam todos que na era de mil quatrocentos e trinta e dois anos...
(transformação e tratamento de imagem por parte do autor
a partir de original da Torre do Tombo)


    Mas isso também não é para hoje e poderá muito bem ser para breve. Mas mais do que nas lendas por humanas mentes produzidas, nós temos a realidade lendária que foi vivida, e lendária por tão intensa ter sido em seu viver e sentir. Sabemo-lo mesmo que não saibamos exactamente do que se fale: a morte, o ódio, o amor, o perigo, tudo é lendário quando a extremos levado. O início do reinado de D. João II passa por um tropeção quando é coroado em Santarém, mas o pai, D. Afonso V decide voltar e o novo Rei passa a velho Príncipe.


Iluminura do Livro dos Copos, mandado elaborar por D. João II,
podendo ler-se neste fragmento
O nome Deos Seja Sempre Louvado

(transformação e tratamento de imagem por parte do autor
a partir de original da Torre do Tombo)

    Da segunda e definitiva vez que D. João, Príncipe de Portugal, é coroado Rei, inicia de imediato uma série de medidas que passam por adagas, e cepo e sator (carrasco). Tudo, em nome da justiça e do povo. Aliás, a alma da divisa que a Guarda Nacional Republicana (G.N.R.) utiliza é a mesma que o Rei teve para si: Pela Lei e Pela Grei. Essa reviravolta na forma como a justiça é aplicada, acaba por estar relacionada com Sintra, pois foi em Sintra, no Paço Real (vulgo, Palácio da Vila), numa parte específica que mesmo nos dias de hoje feia sendo, é para mim das mais belas, pela coroação do Príncipe Perfeito nesse lugar. Sim, o ser humano que nasceu no dia da Invenção da Cruz do ano de 1455 e que ficou marcadamente conhecido na nossa história, foi coroado Rei em Sintra. O Rei que se preocupava com o que os filhos dos pais diziam, como no caso de João Álvares, conhecido como o Gato. De pobre ascendência conseguiu destacar-se no paço; mas certa vez seu pai passou por si, fez-lhe a devida vénia, e Gato desprezou-o; D. João II ao tomar conhecimento da situação disse para o Gato não lhe voltar a aparecer, pois o homem que desprezava seu pay e lhe nam fazia bem, podendoo fazer, nam era pera se fiarem delle. Entre milhares de coisas mundanas – mas intensas para quem as vivia como cada um de nós hoje vive sua vida – foi também o Rei que fez cumprir justiça quando os camponeses se queixaram do roubo impune que os homens dos grandes senhores faziam nas suas amoreiras: roubando-lhes os bichos-da-seda, e assim quebrando o negócio da extracção do fio que fazia a nobreza sentir o suave deslizar do tecido em seu corpo. E, voltando a Sintra, o Rei que se relaciona também com o cume onde hoje em dia se situa o Palácio da Pena, mesmo antes de ser o Mosteiro de Nossa Senhora da Pena que ali antes ocupava aquele cume da Serra.

O altar da Igreja (gruta) do Convento dos
Capuchos da Serra de Sintra


    Mas agora, pela Invenção da Cruz, há também que falar de uma edificação religiosa. Ou melhor talvez seja a ela aludir como construção religiosa. Saindo da coroação de D. João II e das cerimónias fúnebres com essa relacionada – iniciadas de noite com centenas de homens carregando archotes pelos caminhos de Sintra saindo –, temos necessariamente de entrar num dos lugares mais especiais da Serra, e que séculos atrás era conhecido também como "Convento da Santa Cruz." Refiro-me ao Convento dos Capuchos da Serra de Sintra, e a mais um feliz aniversário da sua fundação. "Feliz", pois todos nós podemos senti-lo, é quase como uma dádiva divina para na terra sentirmos através da estranheza da sua configuração (a felicidade da curiosidade e vida com que nos preenche, mesmo que a morte ou a mortificação tenha estado sempre bem presente nos corações daqueles que ali viveram). Celebram-se hoje 457 anos desde a sua fundação no dia da Invenção da Cruz, 3 de Maio, do ano de 1560. Já dele várias vezes aqui falei, e mesmo de forma um pouco mais extensa no ano passado, quando igualmente relembrei o seu aniversário. Mas falar no Convento dos Capuchos da Serra de Sintra significa não poder deixar de falar em D. João de Castro, um dos grandes heróis, valido da honra e da curiosidade que faz com que o mundo se desenvolva, da história de Portugal. E só doze anos depois da vida ter abandonado o seu corpo é que viu, através de seu filho, o desejo de ver levantado o austero Convento no meio da Serra de Sintra. Para além do encanto que o interior do Convento transmite a quem o visite e a quem do conhecimento da religião se encontre distante, conhecer os hábitos, os seres humanos – e seus nomes – que ali viveram, e alguns dos quais ali, ao longo daqueles espaços, no interior daquele monte de rochas, também foram sepultados. O Convento dos Capuchos mantém de forma rígida, um outro tempo, um outro ambiente, para que nós ainda nos dias de hoje consigamos senti-los levemente, já num ritmo de vida completamente diferente, já num sentir completamente diferente.

O Pórtico das Fragas, de entrada para o Convento
a aguardar por si, 457 anos depois

    Hoje é um dia especial para Sintra. Celebram-se dois aniversários muito importantes. Não posso deixar de lembrar que os espaços com esses aniversários relacionados estão ao seu alcance, para que a história possa sentir.









Sem comentários:

Enviar um comentário

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra