colecções disponíveis:
1. Lendas de Sintra 2. Sintra Magia e Misticismo 3. História de Sintra 4. O Mistério da Boca do Inferno 5. Escritores e Sintra
6. Sintra nas Memórias de Charles Merveilleux, Séc. XVIII 7. Contos de Sintra 8. Maçonaria em Sintra 9. Palácio da Pena 10. Subterrâneos de Sintra 11. Sintra, Imagem em Movimento


terça-feira, 23 de outubro de 2012

Origem do Nome Cintra - ou "Sintra" e "Cintra"



© Pesquisa e texto: O Caminheiro de Sintra
Imagem: Arquivo d'O Caminheiro de Sintra


gravura pretendendo ter o valor das armas
da Vila de Cintra, no ano de 1859
   
    Sintra, tendo passado por várias grafias em latim e em português, passou em finais do século XVI / inícios do século XVII, a ver seu nome escrito com ‘C’: Cintra.


    A modificação deveu-se ao período em que foram muito propagados os templos de Sintra ao sol e à lua, sob forte influência da poesia da época que incidia na deusa Cynthia - Artemisa (Grécia); Diana (Império Romano); Cynthia por supostamente ter nascido no Monte Kynthos, na Grécia -, aliando-a à Serra. A questão da relação da Serra de Sintra com a lua, bem como a dos templos, está ligada a tempos mais antigos, relacionados com referências escritas, e à época, orais.

    Assim, ao longo - principalmente - dos séculos XVII, XVIII, e XIX, os historiadores - ou autores ligados aos factos históricos - diziam que Cintra era a corrupção do nome Cynthia - que supunham ter sido atribuído à Serra de Sintra.

   Com o aprimorar dos estudos históricos - principalmente - no século XIX, os mesmos historiadores foram deparando cada vez mais com referências arcaicas do Reino de Portugal, em que em português e latim os termos utilizados para o termo que nomeia a Serra, começavam com ‘S’.

    Por fim, depois da implantação da República, na Reforma Ortográfica de 1911 foram abolidas as formas mais próximas dos étimos latinos e gregos (respectivamente, e a titulo de exemplo: prompto; pharmacia) e substituídas por formas “mais limpas”. Foi aí que Cintra passou novamente a ser Sintra.

   A influência da poesia que incidia sobre Cynthia, pode ser aqui apreciada - a título de exemplo - em Luís Pereira (Elegíada), já em finais dos anos de 1500:

Deu-lhe seu próprio nome a bela filha
De Latona [CdS: mãe de Artemisa/Cynthia] por ser já sua morada.
Vê bem no cume uma maravilha,
Que não cuido que fosse igual contada(...)



© O Caminheiro de Sintra


Poderá também consultar outro artigo n'O Secreto Palácio de Sintra presente: Etimologia de Sintra


Sem comentários:

Enviar um comentário

Caríssimo(a),

por favor sinta-se à vontade para aqui escrever aquilo que agora pensa ou sente.

Ver-nos-emos em breve, sem disso sabermos.

O Caminheiro de Sintra